Ser Vagabundo (poesia)

Ser Vagabundo

Por: Daniel Pinheiro – (Escrita em: 16/06/2004) 

ser um sujeito vagabundo
sem verbos
sem pronomes
sem disfarce
é pedir para ser o alvo
de escárnios
entre soluços
se matar com açúcar nas veias
destilando, com álcool
em fermento brando, forte
amargo, feito o ser
sem querer
sem pensar
apenas sonhando
em fecundar
e passar para frente
algo que deixou para trás
arrogante, relutante
com preconceitos e sombras
perseguido pela tolerância
abonado como herói
vazio, sombrio
numa luta infinita
entre o trono e o fosso
sem pedir
sem chegar
apenas partindo
repleto de fantasias
em um mar revolto
de dores
prorrogando uma ressaca
com louvores bravios
loucos e reais
passeando em estradas
desbravando íntimos desejos
com resvalos em glória
sob um sol
mas…
…sem querer, sem estar, sem saber
apenas sendo
um mero vagabundo
que mendiga pelo último pedaço
de uma vida sem dono
em trapos novos
velhos amigos
escondidos em festa
celebrando a dor
daqueles que um dia se foram
apenas por terem deixado
sem carta
sem versos
sem linhas
somente rabisco
tão apenas trêmulos
de esperança
choro e risos
de um palhaço indigente
sem filhos
sem amor
como um vulto
vagabundo e vadio
vivendo sem pressa
a dor de não morrer

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

"Sou obrigado a reconhecer que, com toda a corrupção que teve de um tempo para cá, o que encontramos no governo Collor deveríamos ter enviado para o juizado de pequenas causas". (Sen. Pedro Simon)

%d blogueiros gostam disto: