Pedaços de um homem (poesia)

Pedaços de um Homem

Por: Daniel Pinheiro – (Escrita em: 2/03/2002)

 

pedaços de um homem
carregados pela fraca brisa
leves, como plumas
pairavam pelo céu mostrando-se
aos incrédulos
que embasbacados contemplavam
a sórdida e elegante cena
daquele resto moribundo
ali apresentado

uma cena fétida, suja
de tristeza e rancor
adorada por todas as pessoas
sem algum tipo de pudor
ou melhor, sem nada de razão
apenas uma cena a mais
em meio a esta rua movimentada

tudo que faço é ver os meus pedaços
em meu leve caminhar
espalharem-se nos olhos deles
vendo que nada entendem
porque devo eu sofrer
para que eles se deleitem?

pedaços de mim
exalam o cheiro da dor
não conhecem sentimentos como ódio
crueldade e infidelidade não aprenderam
mas são vistos como pedaços qualquer
para que, ainda triste, pereçam…

e, após o último raio de sol
o que restarão
serão pedaços e maltrapilhos
que ninguém se preocupou em juntar
afinal, de que adiantaria?
são apenas pedaços, pedaços de um homem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

"Sou obrigado a reconhecer que, com toda a corrupção que teve de um tempo para cá, o que encontramos no governo Collor deveríamos ter enviado para o juizado de pequenas causas". (Sen. Pedro Simon)

%d blogueiros gostam disto: