O preço e a culpa

A coisa funciona assim. Pagamos umas das maiores taxas de impostos do mundo. Temos um índice de pobreza alarmante, nossos hospitais são depósitos humanos e nossa educação é uma vergonha. No entanto temos como ajudar países, que supostamente eram considerados ricos.

Paulo Rink

——————————————————————

Brasil vai ajudar FMI com injeção de recursos para resolver crise do Euro

Por: Luciana Cobucci

Fonte: Portal Terra

Após reunião com a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que o Brasil e demais países emergentes concordaram em injetar recursos no FMI para que o fundo ajude as nações da zona do Euro, principalmente, a sair da crise financeira. O aporte de dinheiro, no entanto, está condicionado ao aumento da participação de países emergentes nas decisões do fundo e à contribuição financeira também dos Estados Unidos e Europa. A reunião entre Mantega e Lagarde aconteceu após encontro da diretora do FMI com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília.

“Embora o FMI hoje esteja muito mais forte e preparado que em 2008, o Brasil está disposto a colaborar para um aporte adicional de recursos através de acordos bilaterais de crédito no FMI. Não há quantia definida, isso é uma discussão que faremos com os BRICs, que concordaram em fazer um aporte ao FMI, porém está condicionado à continuação das reformas de cotas que já foram acertadas em 2009 e 2010 e que nós tenhamos, também, a colaboração de outros países com mais recursos para o FMI”, disse Mantega.

O ministro brasileiro criticou a atuação do Banco Central Europeu (BCE) e disse que o FMI está fazendo um papel que cabe à autoridade monetária do bloco econômico. “Mesmo que eu ache que a União Europeia possua os instrumentos para superar a crise, eles estão demorando, isso justifica a injeção extra de recursos no fundo. O banco central europeu pode resolver a situação, mas enquanto isso não acontece, a situação se deteriora. Nossa preocupação é também que a crise atinja, em maior escala, os emergentes”, afirmou.

Lagarde elogiou as medidas macroeconômicas brasileiras e disse que o País é o mais imune e preparado para enfrentar a crise. “Do ponto de vista do FMI, o Brasil é um país que tem um histórico extremamente sólido, está numa situação favorável devido à políticas sólidas. Acreditamos que o Brasil está mais imune e mais bem protegido que qualquer outro país dos efeitos de contaminação das crise do euro”, disse.

A diretora do FMI também elogiou os programas de estímulo ao consumo lançados pelo governo brasileiro e afirmou que o mercado interno é a “arma” do País para reduzir os impactos da crise. “Do nosso ponto de vista, o Brasil está estabelecendo os padrões para programas de desenvolvimento econômico para todos os países”, disse.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s