Metamorfose Ambulante

Então é assim que dm (dilma metamorfose) consegui dinheiro pra campanha? Não podemos esquecer do “bolsa vale voto”.

Paulo Rink

———————————————————–

Jornal diz que filho de Erenice cobrou para liberar crédito do BNDES

Empresa levou projeto de energia solar à Casa Civil, diz ‘Folha de S.Paulo’
Assessor teria recomendado que filho da ministra fosse procurado.

Fonte: G1

Reportagem publicada na edição desta quinta (16) do jornal “Folha de S.Paulo” informa que a empresa EDRB do Brasil acusou Israel Guerra, filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, de cobrar dinheiro para obter liberação de empréstimo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Interessada em instalar uma central de energia solar no Nordeste, a EDRB informou, segundo o jornal, que o projeto estava parado desde 2002 na burocracia federal até que, no ano passado, seus donos foram orientados por um servidor da Casa Civil a procurar a Capital Consultoria.

A empresa foi aberta em nome de um dos filhos de Erenice, Saulo, e teria sido usada por Israel Guerra para ajudar uma empresa do setor aéreo a fechar contrato com os Correios .

Segundo a reportagem, graças à mediação da Capital, representantes da EDRB disseram ter sido recebidos em audiência oficial por Erenice Guerra na Casa Civil, em novembro de 2009, quando ela exercia o cargo de secretária-executiva e a titular do ministério era a hoje candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT). A audiência teria sido intermediada por Vinícius Castro, então assessor da Casa Civil, que pediu exoneração na última segunda-feira.

As condições impostas para o negócio – um financiamento de R$ 9 bilhões do BNDES -, segundo relato da empresa ao jornal, seriam seis pagamentos mensais de R$ 40 mil à Capital e uma comissão de 5% sobre o valor do empréstimo. Os contatos entre a EDRB e a Capital, de acordo com a reportagem, foram feitos por Rubnei Quícoli, consultor da EDRB.

A EDRB, informou o jornal, diz que se sentiu “chantageada” e cortou negociações com os lobistas. Em 29 de março, o BNDES rejeitou o pedido de empréstimo. Quícoli disse à “Folha” que logo depois foi procurado por Marco Antônio Oliveira, ex-diretor dos Correios e tio de Vinicius Castro, que teria dito que a questão no BNDES poderia ser resolvida, desde que a EDRB desembolsasse R$ 5 milhões para saldar supostas despesas de campanha de Dilma. Segundo o jornal, Oliveira nega.

A Casa Civil confirmou ao jornal a reunião com o representante da EDRB, mas informou que Erenice Guerra, então secretária-executiva da pasta, não participou.

Na manhã desta quinta, o G1 procurou a Casa Civil, a assessoria da campanha de Dilma Rousseff, a empresa EDRB e o BNDES, mas ainda não obteve respostas.

Condenações

Segundo a “Folha”, em maio de 2003, o consultor Rubnei Quícoli, representante da empresa EDRB que tentava obter o financiamento no BNDES, foi condenado em processos movidos pela Justiça de São Paulo sob duas acusações: receptação e coação. Os casos não têm relação com o episódio do BNDES.

De acordo com o jornal, ele foi denunciado sob a acusação de ocultar uma carga de dez toneladas de condimentos que supostamente seria produto de roubo. Em 2000, informou o jornal, ele foi acusado de receptação de moeda falsa.

Quícoli recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo e, segundo a “Folha”, em março deste ano, foi absolvido do delito de coação. A Justiça substituiu a pena de um ano de reclusão por receptação por prestação de serviços comunitários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s