Pra não dizer que não falei das flores, das rosas e dos espinhos (Desafio Debatepronto)

Originalmente, a parte inicial do título deste post é da música do Geraldo Vandré, com a qual inicio esta singela homenagem à mulher…

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores

Geraldo Vandré

Composição: Geraldo Vandré

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção…

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão…

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão…

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(2x)

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não…

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição…

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer…(4x)

———————————————

A música, como todos sabem, ou acabaram de perceber, não fala da mulher. E como toda música, em respeito ao artista, pode ser interpretada das mais diversas formas. Deixemos fluir seu primeiro e mais conhecido (talvez único para alguns, por que não?) sentido. O da luta. Calada e sofrida, ou externalizada, e ao mesmo tempo reprimida.

Lutas e dores fazem parte da formação histórica da sociedade ocidental (e não me interessa falar da oriental, agora). Pelo menos, da maior parte da sociedade que conhecemos, no modelo que nos é familiar, e dentro daquilo que aceitamos como verdade. Aliás, a maioria das verdades de nossa sociedade foi instituída, e não construída coletivamente.

E é daí que vem parte de nossos espinhos. Exploramos tanto a nossa própria raça, que agora chegamos a um limite entre o intolerável e o inaceitável. Exato, entre os dois. Passamos de todos os limites da convivência social em todos os centros urbanos, e caminhamos para isso nas áreas mais remotas. Não estou dizendo que seja exclusividade ocidental (mas, também, parece evidente que nos baseamos mais no sofrimento e na ambição que o pessoal do outro lado, basta ver em que ou quais filosofias temos procurado equilíbrio).

Estes espinhos causaram dor, pois tentamos pegar as rosas que os carregavam. O preço do progresso a qualquer preço está sendo pago. Neste mar de coisas ruins, a mulher passou – e talvez ainda passe – pela pior delas. Sou admirador confesso das mulheres – ainda bem! Tenho revelado minha paixão, em especial, àquelas que mudaram minha vida radicalmente: minha avó, minha mãe e minha esposa. Fisicamente, só posso estar com minha esposa – e aprender com ela todos os dias. Espiritualmente, e especialmente, em forma de conhecimento, tive a honra de estar com as três. Com histórias diferentes, todas sofreram, de alguma forma, por estarem em uma sociedade essencialmente machista, violenta e hipócrita. São as minhas rosas, sim, pois mesmo com os espinhos que carregaram, simbolizam aquilo a que chamo, até hoje, e espero amanhã, beleza.

Sendo estas minhas rosas, só me resta falar das flores. As mulheres, que não conheço, ou que até conheci, mas que fazem parte deste imenso e lindo jardim. Mas, se é para falar destas flores, porque a música?

Esta é mesmo a parte triste. O jardim é realmente belo, mas me dói ainda ver essa violência e expressão de machismo, sendo transformada sob outros rótulos. Certo, elas tem uma certa e pequeníssima culpa: o feminismo (sei que vão pular no meu pescoço com facas e foices, mas calma…). Algumas destas flores, resolveram utilizar os mesmos argumentos em busca de algo, que tinham todo o direito, e que, façamos como todos, rotulamos facilmente como liberdade ou igualdade. Quando se busca igualdade se pressupõe naturalmente a diferença, e por princípio, partimos para o certo a partir do errado. Ponto. Mas não é para isso que serve o parágrafo, e sim, para dizer que as diferenças só aumentaram. O caminho foi, para muitas, trabalhar, “conquistar posições e poder”, assim como os homens. Estas, para mim, falharam. Somente multiplicaram os valores que falei. Estão reforçando a competição, a violência, a luta por espaço.

Volto então às rosas, que se libertaram realmente, e se encontraram. No trabalho, simplesmente ficando com a família, ou dedicando-se a uma causa – ou luta – que não é sua, mas de todos. Volto para aquelas, que carregam seus espinhos e descobrem que mesmo assim são belas. Lutadoras, mas não selvagens. Fortes, mas não homens. Mulheres que são, enfim, mulheres. E que são muitas, e que estão aí. Não tem vergonha de chorar – e de rir – em público. Não tem medo da sua própria sensibilidade. Não se mede por força, aliás, por fragilidades, por serem simplesmente: mulheres.

E os espinhos, de que falei, somente compõem o cenário que não precisa de passado, nem de futuro. Mas de presente.  Se aprendermos a conviver entre rosas e espinhos, poderemos ser flores, pássaros, gente e, até mesmo, ninguém. Não precisamos “ter” para “ser”. Não precisamos nem “ser”. Precisamos, apenas, assumir a vida que levamos, e sermos responsáveis pelo que fazemos. É um começo, talvez.

Então, mulheres (mesmo as que não gostaram do que está aqui), sintam-se no presente. Tenham sim, um dia, uma hora, um momento seu. E sintam-se tão especiais quanto realmente são, porque vocês podem ser flores, rosas ou espinhos, mas serão sempre, lindas, belas e completas, mulheres. E não precisamos seguir a canção, sermos todos iguais, caminhar juntos ou não… mas, realmente, há uma razão na música do Geraldo Vandré: eu acredito nas flores vencendo o canhão!

Daniel Pinheiro

Uma opinião sobre “Pra não dizer que não falei das flores, das rosas e dos espinhos (Desafio Debatepronto)”

  1. Amor,

    Obrigada por suas palavras!!!! Quem sabe mais pra frente não tenhamos uma rosinha em nossas vidas..rss
    Te amo!!!!
    Bj

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s