Turismo Consciente (Meio Ambiente)

Nas férias, pense no impacto que vai gerar com a sua viagem. E divirta-se. Mas, de modo consciente.

Daniel Pinheiro

———————————————————————

Turismo vira ferramenta para proteção ambiental

Várias experiências têm comprovado a eficiência do ecoturismo na preservação. Para isso, além de conscientizar o visitante, é preciso envolver a comunidade local

Publicado em 25/11/2009 | Pedro de Castro

Fonte: Gazeta do Povo

A percepção de que fechar uma área vulnerável nem sempre é o melhor caminho para protegê-la ganha cada vez mais força entre gestores e ambientalistas – ainda mais quando os agentes da degradação (mesmo que involuntária) são as comunidades da região. Mas, é claro, permitir a visitação ou o turismo em áreas de proteção ambiental causa alguns incômodos, já que a presença de estranhos sempre tem impacto. Lixo, depredação e o hábito de levar “lembrancinhas” naturais para casa são exemplos. Por outro lado, a renda gerada pela atividade pode ser revertida para a preservação do meio ambiente e dar uma alternativa àqueles que vivem de extração ilegal.

A literatura especializada batiza com vários nomes, como ecoturismo, turismo sustentável ou de base comunitária, a prática baseada no mesmo princípio: buscar a conscientização do visitante para que ele se torne um preservador e o envolvimento das comunidades locais para formar uma espécie de “cerca viva”, que cuida do meio ambiente porque é do seu melhor interesse. “Há uma mudança de mentalidade, principalmente entre os gestores públicos, de que abrir para uma atividade sustentável, como o turismo, vale a pena”, diagnostica o doutor em Geografia Humana, Marcos Aurélio Tarlombani.

Mesmo a visitação, pura e simples, se bem administrada, já traz benefícios à área protegida. O Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa, retira 40% do seu custo operacional das receitas com entrada. Além disso, a procura pelo local leva o poder público a investir mais em estrutura, como trilhas seguras e sanitários. “A demanda turística ajuda a fechar as contas ao mesmo tempo em que força mais investimento. Para minimizar o impacto do visitante são necessários equipamentos, ainda mais num local cheio de elementos vulneráveis como Vila Velha”, sintetiza a coordenadora do Parque, Maria Ângela Dalcomune.

“Ainda não há um envolvimento suficiente da comunidade local porque é um processo demorado, que não dá retornos imediatos”, pondera Tarlombani, que desenvolve, há mais de dez anos, uma pesquisa sobre a aplicação do ecoturismo no Paraná. A região mais avançada na adoção desse tipo de turismo, de acordo com o estudo do geógrafo, é o litoral do Paraná, uma vez que sua estrutura fundiária se baseia em pequenas propriedades.

Litoral

As ilhas paranaenses foram abarcadas há dois anos pela Cooper­guará Ecotur – cooperativa de moradores voltada ao turismo, que conta com o apoio da ONG SPVS. Entre outras funções, a iniciativa une duas atividades paralelas: o monitoramento, pela SPVS, das populações do papagaio-de-cara-roxa, ou chauá, ameaçado do extinção e os passeios para levar o turista para ver a revoada dos pássaros no fim da tarde, em Ilha Rasa, “bicos” de pescadores da Ilha de Superagui na temporada. “Com a parceria eles estão capacitados para fazer isso de forma a promover a preservação e podem oferecer um serviço diferenciado ao turista, unindo qualificação com conscientização”, acredita o técnico da entidade, Marcelo Bosco Pinto.

A cooperativa promove uma articulação dos moradores e os serviços que cada um oferece, possibilitando a venda de pacotes turísticos completos. Desta forma, o turismo se tornou uma alternativa de renda a quem vivia da degradação e hoje é a principal atividade de muitas famílias. “O que acontecia aqui antes era a captura e o tráfico do papagaio, até que se percebeu que havia mais a ganhar deixando os pássaros livres”, repassa a secretária-geral da organização, Sueli Alves. Outra atividade gradualmente abandonada pelas populações foi a criação de búfalos, que devasta a vegetação.

O pescador Nagib França, de 64 anos, decidiu há oito ocupar o tempo livre de sua “voadeira” com passeios turísticos. Hoje, ele se dedica exclusivamente a isso e conta com dois barcos com capacidade para 15 pessoas. Sua esposa, Lourdes Castanha, de 49 anos, viu a lanchonete na rua do trapiche encher ano a ano. “Sempre tem gente para levar. No verão chegam a ir para lá oito barcos, todos os dias”, observa. Boa parte de seus clientes volta para passar a noite na pousada de Florisa Michaud do Rosário, de 48 anos. “Levamos três anos fazendo cursos para atender os turistas, mas valeu a pena, porque a pessoa que vem para cá, dorme e come aqui. E o primeiro contato geralmente é pela cooperativa”, comenta.

Degradação

Sem um bom planejamento, abandono continua igual

Planejamento é essencial para tornar a procura turística uma ferramenta a favor da preservação ambiental e não, como geralmente se espera, um catalisador para a degradação local. A falta de coordenação e visão de futuro entre os agentes envolvidos na atividade pode gerar uma renda irrisória inicialmente, mas acarreta não só danos ambientais como sociais, com a expulsão das comunidades locais para a periferia e o estabelecimento de empresários estrangeiros.

“Só infraestrutura não adianta. Se abrir uma estrada, por exemplo, a população antes isolada vai explorar a mata de forma inadequada para poder usufruir das benesses que vêm pelo asfalto”, alerta Leidi Takahashi, gerente de projetos ambientais da Fundação O Boticário.

Algo semelhante aconteceu com o Canyon Guartelá, nos Campos Gerais, durante a década de 80. A região, permeada por grandes propriedades rurais e poucas comunidades foi invadida por turistas que acorreram a pousadas e trilhas particulares. O cânion, o sexto maior do mundo, virou lata de lixo e chão de fogueira para muitos desses visitantes até que foi transformado em parque estadual e passou por uma limpeza.

Caminho diferente tomou Bonito, no Mato Grosso do Sul, apesar do crescente fluxo de turistas que fazem do município o primeiro destino ecoturístico do país. A região teve seu boom no início dos anos 90, com a popularização do turismo no Pantanal. A presença de uma área de proteção, o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, facilitou que o poder público colocasse restrições à atividade, forçando, por exemplo, o aumento dos preços de estadia, para manter a procura sob controle.

“O impacto de simplesmente fechar a área sem conseguir fiscalizar ou abrir sem nenhum controle é o mesmo”, considera o doutor em Gestão para Planejamento Sustentável, Carlos Sampaio. “O que devemos perceber é que não precisa de muita polícia ambiental, os próprios membros das comunidades nativas cuidam da vegetação se seu sustento depender disso”, observa. (PC)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s