Metrô de Curitiba – A saga continua…

Só espero que a pressa para o metrô não transforme esta importante conquista para Curitiba em um jogo subterrâneo de picaretagem.

Daniel Pinheiro

—————————————————————————

O metrô volta para a pauta da Copa

Governo aceita reavaliar proposta após a ministra Dilma Rousseff descartar inclusão da obra no PAC do Mundial

Publicado em 11/11/2009 | André Gonçalves, correspondente, e Vinícius Boreki, da Redação

Fonte: Gazeta do Povo

Brasília e Curitiba – A apresentação de um projeto mais enxuto e o comprometimento com a conclusão dos trabalhos até o começo da Copa de 2014 mudaram o rumo das negociações entre a prefeitura de Curitiba e o governo federal sobre a construção do metrô. Após o banho de água fria provocado por declarações pessimistas da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, as duas partes podem fechar um acordo sobre a obra até dezembro. Até lá, técnicos do município terão de provar que o sistema começará a funcionar dentro do prazo.

A proposta atual reduz de 22 para 13 quilômetros o tamanho da linha Norte-Sul. Ela restringe o trajeto original ao percurso entre o Terminal CIC/Sul e a Praça Eufrásio Correia, que conta com apenas 12 das 21 estações previstas. Apesar dos cortes, porém, uma nova estimativa do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) aponta que o empreendimento deve ficar 17% mais caro.

A expectativa era de que toda a obra custasse R$ 2 bilhões. Desse valor, R$ 1,2 bilhão seria aplicado apenas nos 13 quilômetros do trecho Sul. Agora, a quantia estimada para o trecho Sul saltou para R$ 1,44 bilhão.

“Acabamos de concluir uma investigação completa sobre o terreno em que vai ficar o metrô e descobrimos que será necessário aumentar o orçamento”, explicou o presidente do Ippuc, Cléver Almeida. Segundo ele, alguns trechos em que o sistema funcionará no subsolo precisarão ser até 50% mais profundos – vão passar de 8 para 12 metros abaixo do nível da rua.

Almeida, o prefeito Beto Richa e os ministros Márcio Fortes (Cidades), Orlando Silva (Esportes) e Paulo Bernardo (Planejamento) participaram ontem de uma reunião em Brasília sobre os investimentos de preparação de Curitiba para a Copa. “Nossa grande conquista foi resgatar essa discussão do metrô, que já estava praticamente fora dos planos do governo federal”, comemorou Richa.

As negociações ficaram tensas após Dilma Rousseff declarar que a obra não seria encaixada no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade Urbana, que trata de projetos das cidades para o Mundial.

De acordo com Paulo Bernardo, a situação mudou com a conversa de ontem. “Nossa principal restrição era vincular o metrô à Copa e ele não ficar pronto até lá. Como eles (técnicos da prefeitura) estão assegurando que têm condições de fazer dentro do prazo, decidimos reavaliar.”

O sucesso do acordo, segundo o ministro, depende de um consenso entre as estimativas dos técnicos da prefeitura e os do governo. “Estamos enfrentando uma guerra de versões entre o pessoal que diz que vai ficar pronto e os que não acreditam que isso seja viável. Só que chegou a hora de batermos o martelo.” Do outro lado, Richa garante que não haverá problemas. “Trabalhamos com uma margem de segurança suficiente.”

A proposta do metrô curitibano é que o governo federal financie R$ 960 milhões (67%) do custo total. Os R$ 480 milhões restantes seriam investidos a partir de uma Parceria Público-Privada (PPP). Richa disse ontem que os estudos para a adoção da PPP foram encomendados à Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e devem ficar prontos até o fim do ano.

A linha de crédito junto ao governo federal já foi estabelecida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Os juros cobrados serão de 5,5% ao ano mais spread bancário (atualmente de 1,9% ao ano). A prefeitura teria uma carência de 48 meses para começar a pagar, dentro de um prazo total de 30 anos para quitar a dívida. Ou seja, se o município contrair a dívida, o responsável pelo início dos pagamentos será o prefeito eleito em 2012.

Avenida pode ficar sem as suas “torres”

A Avenida Comendador Franco, que liga o Aeroporto Afonso Pena a Curitiba, pode perder o apelido de “Avenida das Torres” até a Copa de 2014. A retirada das estruturas de alta tensão presentes em 18 quilômetros da via pode ser a principal novidade na lista de obras de preparação da cidade para o Mundial.

Veja a matéria completa

Proposta

Especialistas pedem bonde no aeroporto

A possível retirada das torres de alta tensão da Avenida Comendador Franco (veja ao lado) deve ser aproveitada para incrementar o transporte coletivo. Na opinião de especialistas, a oportunidade não pode ser desperdiçada somente com a ampliação da pista. É preciso planejar um novo modal de transporte público, responsável pela ligação entre o Aeroporto Afonso Pena e o centro de Curitiba. A sugestão pensada por dois especialistas consultados pela reportagem é um bonde sobre trilhos – elevado ou não. Esse novo meio de transporte seria interligado à Linha Verde, permitindo o deslocamento de quem está no aeroporto a qualquer ponto da Rede Integrada de Transportes.

“Há algumas facilidades: não é preciso escavar e já existe fonte de energia disponível (a eletricidade)”, opina Luiz Cláudio Mehl, engenheiro e membro do Conselho Consultivo do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP). “Essa obra serviria para valorizar o trecho e auxiliaria na solução de problemas de ordem social”, defende o coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Positivo (UP), Orlando Pinto Ribeiro.

Pontos resolvidos

R$ 153 milhões para 3 obras garantidas

O governo federal deu a certeza ontem de que irá investir em pelo menos três projetos apresentados pela prefeitura de Curitiba como preparação para a Copa de 2014. As obras somam R$ 152,9 milhões. A prioridade é a melhoria do tráfego na Avenida Comendador Franco.

A outra, estimada em R$ 4,9 milhões, é a reforma da Avenida Cândido de Abreu, que será adaptada para receber uma linha de ônibus ligando o Museu Oscar Niemeyer ao aeroporto Afonso Pena. Por último, o governo federal ajudará no investimento de R$ 58 milhões em melhorias no sistema de sinalização do tráfego (como a sincronização dos semáforos).

Além do metrô, os ministros vão reavaliar outra proposta: o empreendimento de R$ 137 milhões prevê a construção de um corredor metropolitano entre Almirante Tamandaré, Araucária, Fazenda Rio Grande e São José dos Pinhais.

Outras três obras que haviam sido sugeridas em reuniões anteriores foram excluídas temporariamente dos planos. Segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, ainda não há solução para o impasse do término da Arena da Baixada, avaliado em R$ 90 milhões.

Anúncios

Uma opinião sobre “Metrô de Curitiba – A saga continua…”

  1. Que mais que ele não vai fazer? Deveria terminar seu mandato e cair fora, não faz nada mesmo. Não libera o campo do Coxa e agora não sabe se vai fazer o metro.
    Graças ao Beto, estamos atrasados em relação aos outras capitais.
    Não deveria existir reeleição, os caras nunca fazem nada da 2ª vez…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s