Nada de Escorregar Agora

Corrigindo rapidinho, 2010 vem aí!!!

Paulo Rink

———————————–

Após pressão do PSDB, mulher de Agaciel desiste de trabalhar com tucano

MÁRCIO FALCÃO

da Folha Online, em Brasília

Depois do PSDB enquadrar o senador Papaléo Paes (PSDB-AP), a servidora Sânzia Maia, mulher do ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia, desistiu de ser transferida para o gabinete do tucano. Sânzia ligou para Papaléo e informou que percebeu o desgaste que gerou ao parlamentar e disse que não tinha interesse em prejudicá-lo.

Sânzia deve continuar trabalhando na gráfica do Senado, berço político do ex-diretor. A requisição para ela trabalhar com o tucano ainda não tinha sido publicada no Boletim Administrativo de Pessoal do Senado.

A notícia de que ela desembarcaria no escritório de Papaléo gerou mal-estar na cúpula tucana. O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), telefonou nesta quinta-feira para o correligionário e pediu que ele voltasse atrás.

A cúpula do PSDB avaliou que a contratação da servidora para o gabinete do tucano representaria um desgaste para o partido que subiu o tom do discurso contra Agaciel –apontado nas denúncias como o principal articulador das irregularidades administrativas descobertas na Casa– e o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que chegou a ser denunciado pela legenda ao Conselho de Ética por ter indicado e defendido a permanência do ex-diretor no cargo nos últimos 14 anos.

O presidente do PSDB não quis comentar o caso. Papaléo se disse “chateado” com a repercussão negativa da movimentação da servidora. “Ela agradeceu pediu desculpas, disse que não queria me causar qualquer tipo de problema político. Agora, o que precisa ficar claro é que não é uma questão política. Ela já é servidora do Senado, não tem nenhuma irregularidade, não tem nada que pese sobre a conduta dela. Insisto que estou tratando esse caso como uma questão humanitária. Ela não pode ser condenada pela supostas irregularidades do marido”, disse.

A Folha Online revelou nesta quinta-feira que o tucano requisitou Sânzia nesta semana para trabalhar em seu gabinete. O tucano, que é aliado regional de Sarney, afirmou que a contratação foi um “gesto de humanidade”. Papaléo disse que não há fato algum que “desabone” o trabalho de Sânzia, que é concursada da Casa e, portanto, não teme nenhum desgaste.

Atualmente, a mulher de Agaciel está trabalhando na gráfica. Recebe por mês R$ 3.302,42, segundo Papaléo, e não terá nenhum reajuste com a mudança de lotação. Sânzia permaneceu de 1999 até 2008 em uma situação considerada irregular na Casa. Foi nomeada pelo próprio marido para comandar a Secretaria de Estágios, mesmo com a Lei 8.112/90, que trata do Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, proibindo que se mantenha sob sua chefia imediata, em cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau civil.

Ela acabou exonerada da função em 2008 quando o STF (Supremo Tribunal Federal) proibiu o nepotismo nos Três Poderes. O tucano saiu em defesa do trabalho da servidora. “Ela é servidora da Casa há mais de 20 anos, não tem nenhum processo administrativo nas costas, não vejo problema algum dela trabalhar aqui e espero que ela contribua muito com a nossa atividade na Casa”, afirmou.

Demissão

O Senado estuda a demissão de Agaciel. Foi criada uma comissão para analisar a responsabilidade dele na edição dos atos secretos. O prazo para que a comissão decida sobre o futuro deles terminaria no dia 6 de setembro, mas deve ser prorrogado por pelo menos mais 30 dias.

Agaciel está afastado do Senado até o dia 25 de setembro. Na véspera da Primeira Secretaria do Senado determinar abertura de investigação, ele pediu uma licença remunerada de 90 dias para a instituição. Alegou que tem sido vítima de acusações ‘absurdas e descabidas’.

O ex-diretor também é investigado pela Polícia Legislativa, que espera autorização da Justiça para prorrogar o inquérito que apura a nomeação sigilosa de uma servidora no gabinete do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) que teria ocorrido pelas mãos de Agaciel.

Os policiais do Senado dizem que não podem decidir se pedem o indiciamento de Agaciel porque ainda precisam fazer um exame grafotécnico para confirmar se as assinaturas nos atos secretos são realmente do ex-diretor.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s