Lançamento de Livro (Dica)

Olá,

Um pequeno espaço comercial (nem tanto!!!).

Um amigo, e ótimo escritor, Fausto Amadigi, lançará o seu livro amanhã. O texto de divulgação, que deixo abaixo, foi retirado de seu blog: http://faustoamadigi.blog.terra.com.br

Quem não puder estar presente e tiver interesse, o livro pode ser adquirido em qualquer uma das lojas das Livrarias Curitiba ou pelo link:

http://www.livrariascuritiba.com.br/index.php?system=livros&action=carrinho&id=9788590972808&eid=LVLILBPO

——————–

A poesia está no ar

Com variações de estilo, que vai da crônica ao lírico, do descritivo ao subjetivo, do enigmático ao racional, chega ao mercado editorial o livro Cento e Tantos Poemas

No dia 4 de setembro, no Quintana Café e Restaurante, às 19h30, acontece o lançamento do livro “Cento e Tantos Poemas”, do escritor paranaense Fausto Amadigi. Advogado e historiador, formado pela PUC-PR e UFPR respectivamente, Amadigi, em seu primeiro livro, traz poemas escritos, principalmente, nos dois últimos anos. Mas, a paixão pela poesia começou cedo, por volta dos 13 anos, ainda na cidade onde nasceu, Querência do Norte.

No livro, estão 117 poemas organizados em cinco capítulos. Em cada um, a tradução de momentos do autor. No primeiro, a criação literária. Os poemas “Curto-circuito” (nº 1 e nº 2) sugerem o trânsito incessante das idéias – do papel às bocas e mentes e vice-versa. Já “Interlocução” abre o diálogo com os escritores referenciados no livro.

O movimento é o mote do segundo capítulo. São poemas-caminhantes que passam por cidades e lugares que o autor conheceu, como “Manhã em Puebla” (México), “Estudo de hidrografia” (Curitiba) e “Ver O Peso” (Pará). Já no terceiro, nos poemas “Caso de polícia” e “Aborto”, aparece o roteiro cotidiano do poeta. Leituras sob a luminária enquanto nasce o dia, o movimento das ruas e a rotina do trabalho à procura de propósitos.

Os poemas presentes no quarto são mais enigmáticos, de interpretação menos direta, a exemplo de “Casa de chá”. Em “Goya”, há uma proposta de inversão, sugerindo que a razão também produz fantasmas. O quinto e último capítulo começa com “Desjejum” e encerra com “Refeição”. São as metáforas para exprimir as sutilezas do amor conjugal.

Cento e Tantos Poemas, é uma obra do autor. Custeado com recursos próprios, sob a coordenação da Lua Nova Editora, selo especializado neste tipo de publicação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s