Regulamentação da Propaganda de Alimentos

Vale a pena conhecer. E se defender!!! Especialmente dos famigerados profissionais de marketing. Ops.

Daniel Pinheiro

————————————–

Propaganda de alimento terá frase de advertência, como os remédios

Mesmo com norma da indústria, Anvisa publicará regras para produto com alto nível de açúcar, sal e gordura

Simone Iwasso e Humberto Maia Junior, JORNAL DA TARDE

Mesmo com a autorregulamentação anunciada ontem pelos fabricantes de alimentos e bebidas, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicará até o fim do ano novas regras para a propaganda de produtos com altos níveis de açúcar, sal e gorduras, como chocolates, bolos, bolachas recheadas, salgadinhos e refrigerantes. As peças publicitárias voltadas para crianças ou veiculadas durante programas infantis terão restrições ainda maiores.

Pelo texto, a propaganda desses alimentos deverá conter frases informativas, a exemplo do que ocorre com medicamentos – e nos mesmos moldes de tamanho e cor. Por exemplo, um comercial de bolacha de chocolate deverá trazer, por escrito e lido pelo narrador, uma frase alertando que se trata de um produto com altos índices de açúcar (substância que, se ingerida em excesso, pode provocar diabete, aumento do colesterol e obesidade). Além disso, a propaganda dirigida a crianças só poderá ser veiculada entre as 21 e 6 horas. Animações e uso de personagens de desenhos infantis nos comerciais ficam proibidos. Também não poderão ser feitas ações de marketing em escolas e materiais escolares.

As regras serão válidas para propagandas em revistas, jornais, televisão, rádio e internet. “A regulamentação trará regras para as propagandas que influenciam no consumo de determinados produtos entre a população, até mesmo infantil”, diz a gerente-geral de Fiscalização de Propaganda da Anvisa, Maria José Delgado. Segundo ela, a decisão está baseada no aumento da incidência de doenças crônicas no País, como diabete, hipertensão, síndrome metabólica e problemas cardíacos.

Ontem, a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia), a Associação Brasileira de Anunciantes (ABA) e 24 indústrias alimentícias prometeram acabar, a partir de janeiro, com a publicidade dirigida a crianças e pré-adolescentes de até 12 anos.

O texto, porém, é mais brando do que o discurso – segundo o documento, o fim dos anúncios fica restrito às mídias e aos programas que tenham pelo menos metade da audiência formada por crianças, algo não tão simples de medir.

Dados do Ministério da Saúde mostram que cerca de 60% dos gastos ambulatoriais e hospitalares do Sistema Único de Saúde ocorrem no atendimento a complicações decorrentes das doenças crônicas. Pesquisas realizadas em amostras populacionais mostram que o sobrepeso e obesidade atingem cerca de 30% das crianças.

A regulamentação da Anvisa está em estudo desde 2006, quando o tema foi colocado para consulta pública. Desde então, sugestões foram recebidas e uma audiência pública foi realizada na semana passada, último passo para a elaboração do texto final. A iniciativa tem provocado discussão com a indústria, que questiona a competência da agência para regulamentar propaganda. “Nós temos embasamento jurídico para a questão. A legislação diz apenas que leis estaduais ou municipais não podem legislar sobre propaganda”, diz Maria José.

O QUE QUER A ANVISA

Advertência:

Peças publicitárias de alimentos com alto teor de açúcar, sal e gorduras e pobres em nutrientes devem conter frases explicativas, a exemplo do que já ocorre com os medicamentos

Horários:

Propaganda voltada às crianças só das 21 às 6 horas

Formato:

A indústria de alimentos e as agências não poderão mais usar animações e personagens infantis

Mídias:

As regras valerão para propagandas em revistas, jornais, televisão, rádio e internet

Escolas:

Propagandas e ações de marketing serão proibidas

Alimentos não saudáveis:

Possuem quantidade igual ou superior:

– a 15 g de açúcar por 100 g ou

– a 5 g de gordura saturada por 100 g ou

– a 0,6 g de gordura trans por100 g ou

– a 400 mg de sódio por 100 g

Anúncios

Uma consideração sobre “Regulamentação da Propaganda de Alimentos”

  1. É uma ótima idéia expor tais informações nos comerciais, porém as crianças já estão tão acostumadas a comer estes alimentos , que vai depender muito é dos pais explicarem e cuidar ainda mais da saúde dos filhos.Porém este horário (21 as 6) dificilmente as crianças irão assistir ( entendi que este é justamente o objetivo), mas deste jeito também , eles não terão o acesso à estas informações e tenho certeza que muitos pais não prestam muita atenção neste tipo de propaganda.

    Beijos
    armazenagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s